Repelentes de insetos

Brincar ao ar livre, pegar sol na pele, correr entre as árvores, andar de bicicleta no parque. Não importa qual seja a atividade, crianças e adultos precisam desses momentos de laser para sentirem-se felizes.

Durante as brincadeiras, picadas de insetos podem estragar a diversão e causar doenças sérias. Os insetos podem se tornar um problema ou até uma ameaça ao homem e animais, podendo causar infecções e transmitir doenças perigosas. Algumas doenças graves transmitidas por insetos são a malária, a dengue, a febre amarela e a encefalite.

Atualmente, as principais endemias brasileiras transmitidas por mosquitos são a dengue, a febre pelo vírus Zika e Chikungunya. São transmitidas, principalmente pelo Aedes aegypti. O controle desta endemia é dificultado pela falta de vacina e a grande adaptabilidade dos mosquitos ao ambiente urbano.

O Zika é um vírus transmitido pelo Aedes aegypti e identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. O vírus Zika recebeu a mesma denominação do local de origem de sua identificação em 1947, após detecção em macacos sentinelas para monitoramento da febre amarela, na floresta Zika, em Uganda.

A Febre Chikungunha é uma doença transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2014. Chikungunha significa “ aqueles que se dobram” em swahali, um dos idiomas da Tanzânia. Refere-se á aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada, na Tanzânia, localizada no Leste da África, entre 1952 e 1953.

A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em 1986. Estima-se que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente no mundo.

Com a epidemia de dengue e o crescente número de casos de microcefalia associada a ocorrência do zika vírus, muitas pessoas, incluindo gestantes, têm recorrido ao uso de repelentes para tentar se proteger das picadas do Aedes aegypt, mosquito transmissor dessas doenças, acatando recomendação feita Ministério da Saúde.

Remédios à base de Ácido Acetil Salicílico, como a aspirina, e outros anti-inflamatórios, não devem ser utilizados no tratamento, isso porque a dengue causa alterações no sangue e o uso desses tipos de medicamentos podem levar a manifestações hemorrágicas nos pacientes.

Enquanto não existem vacinas, nem métodos de combate ao vírus, um dos meios de se evitar a proliferação da doença, é não deixar água acumulada e parada. Verifique, constantemente, os vãos, pratos para plantas, pneus, garrafas, caixas d’água destampadas, etc.

Apesar de que a única forma de evitar as três doenças é com o combate ao mosquito, é através da eliminação dos criadouros do mosquito nas casas, no trabalho e nas áreas públicas, podemos utilizar repelentes para manter os mosquitos afastados.

Os chamados “ repelentes de insetos” são a base de substâncias químicas que têm o propósito de afastar os insetos e evitar suas picadas.

Contudo, nem todo repelente pode ser usado por crianças e grávidas. Além disso, os vários tipos do produto possuem tempo de ação diferentes, o que pode comprometer a eficácia da proteção se esse detalhe não for observado ou ocasionar outros problemas de saúde.

São três os princípios ativos dos repelentes comercializados no Brasil aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os produtos também diferem quanto à indicação de uso e duração de proteção. Abaixo quais são eles.

IR3535: o uso tópico de repelentes a base de Ethyl butylacetylaminopropionate (EBAAP) é tido como seguro para gestantes, sendo indicado, inclusive, para crianças de seis meses a dois anos, mediante orientação de um pediatra. A duração da ação dos repelentes que usam esse princípio ativo é curta e precisa ser reaplicado a cada duas horas.

DEET: apesar do uso tópico de repelentes a base de dietiltoluamida ser considerado seguro em gestantes, o produto não deve ser utilizado em crianças menores de 2 anos. Já para crianças entre 2 e 12 anos, a concentração do princípio ativo deve ser de no máximo 10% e a aplicação deve ser feita, no máximo, três vezes por dia. O tempo de ação dos repelentes a base de DEET recomendado para adultos (concentração de 15% do ativo), é de cerca de 6h. Já a versão infantil dura apenas duas horas.Icar

idin: por oferecer o período de ação mais prolongado, os repelentes a base de dietiltoluamida, estão sendo os mais procurados por adultos e gestantes. Com duração de proteção de até 10 horas, também pode ser usado por crianças a partir de 2 anos.

Já os repelentes naturais são sustentáveis e não possuem substâncias químicas ou tóxicas, que fazem mal para a nossa saúde. Suas fórmulas são livres de parabenos, silicones e outros derivados do petróleo. Por esse motivo, são indicados para crianças e adultos.

O Neem é uma planta tradicional da Índia, utilizada pelas famílias do país por sua importância para a saúde do homem, dos animais e das plantas. Há trabalhos científicos que relatam a boa atuação do Neem como repelente natural e controle ambiental de moscas, mosquitos, carrapatos, ácaros da sarna, pulgas, piolhos e até o mosquito da dengue. Além disso, possui propriedade antifúngica (contra 14 tipos de fungos de pele, inclusive micoses), antibacteriana (eficaz contra as causadoras de cravos e espinhas), antiviral, antisséptica (contra caspa e seborreia) e anti-inflamatória. Alivia coceiras e vermelhidões causadas por picadas de insetos.

O óleo vegetal de Andiroba é uma planta nativa da Amazônia. O óleo possui propriedades antissépticas, anti-inflamatórias, cicatrizantes, inseticidas e outros diversos benefícios. Seu uso maior é como repelente de insetos e no tratamento de coceiras, devido às propriedades cicatrizantes.

Óleo essencial Citronela é um extrato de planta amplamente conhecido por suas propriedades repelentes. Esse é o mais famoso e popular inseticida. Possui atividade antimicrobiana, fungicida e terapêutica para dores reumáticas. Seu uso alivia coceiras provocadas por picadas de insetos.

Óleo essencial de cravo-da-índia, muito utilizado por pescadores, é rico em eugenol que tem uma propriedade inseticida que afasta mosquitos, moscas e formigas.

Está disponível nas farmácias de manipulação, uma excelente alternativa aos repelentes químicos: Drago-Repel-X®, matéria-prima composta por óleos vegetais da semente da macadâmia, de gérmen de trigo e da semente de linhaça (além de cânfora e vitamina E). Livre de compostos sintéticos, é seguro à aplicação tópica por não causar irritação cutânea, podendo ser utilizado por crianças a partir dos seis meses de idade. Além disso, possui ação comprovada contra o mosquito Aedes aegypti, causador da dengue.

Testes clínicos realizados no Instituto de Pesquisas Biológicas Carrol-Loye (Califórnia, Estados Unidos) avaliaram a eficácia deste ativo em concentração mínima contra o mosquito Aedes aegypti, comparando-o a alguns repelentes químicos existentes no mercado. Desta forma, conseguiram demonstrar que mesmo em baixa concentração Drago-Repel-X® reduziu em cerca de 90,0% as picadas do mosquito da dengue, com eficácia muito semelhante à de matérias-primas químicas empregadas em concentrações elevadas.

Por ser formulado em farmácias de manipulação, é possível associar Drago-Repel-X® a outros ativos diversos, como os com atividade antiaging e aos filtros solares.

A maioria dos focos desses mosquitos é encontrada em residências e imóveis comerciais. Daí a importância da participação da população no controle desta doença.

O vinagre também pode ser usado como repelente natural, uma vez que seu aroma ácido irrita os insetos como moscas e mosquitos. A receita é simples: uma parte de água e outra parte de vinagre para chão e superfícies sensíveis como sofás e tapetes. Para janelas e pias de banheiro e cozinha, pode aplicar o vinagre diretamente. Também repele cães e gatos! Por isso é ótimo para adestrar os filhotes.

Há uma pesquisa realizada pela bióloga Alessandra Laranja e pela professora Hermione Bicudo, do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), aponta que a borra de café (o pó que fica após a passagem da água fervente) pode matar a lava do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. A pesquisa teve início a partir da descoberta de que a cafeína, causa problemas na reprodução da mosca drosófila, mais conhecida como “mosca da fruta”. Os testes foram feitos em larvas do Aedes aegypti, pois a borra não deixa a larva prosseguir no desenvolvimento, já que Aedes aegypti é um inseto holometábolo, onde tem as fases do ovo, de larva, de pulpa e adulto. Se a larva não se desenvolve até a pulpa, ela nunca vai dar um adulto.

Ele realmente combate a presença de vários insetos indesejáveis. Só um detalhe: o café também é eficiente, mas a borra é muito mais poderosa.  A borra de café também é ótima para afugentar formigas. Basta espalhar um pouco desse resíduo na área desejada e as formigas sumirão imediatamente.
O próximo passo é queimar lentamente os resíduos do café moído, como um incenso: coloque a borra dentro de uma lata ou outro objeto de metal, acenda o fogo e a fumaça vai se espalhar por toda a área, repelindo os insetos.  Pode-se ainda colocar a borra de café nos pratinhos e entre as folhas das plantas que acumulam água parada. Se na sua casa vocês não tomam café, pode-se substituir a borra por folhas de louro fresco.

Outra maneira de proteger sua casa dos mosquitos é deixar as portas e janelas fechadas e passar uma boa quantidade de inseticida. No final da tarde, horário em que eles mais costumam aparecer e estão famintos, é exatamente o horário que você está voltando para casa. Além disso, deve-se evitar deixar restos de comida e lixos abertos, pois isso pode atrair mais insetos.

Agora que você já conhece diversas alternativas para afastar os insetos, basta escolher qual é a que melhor se encaixa no seu estilo de vida e se ver livre desse problema tão perigoso.

Escrito e desenvolvido por: Anelise Taleb – Farmacêutica e Cosmetóloga

 

 

Solicite um Orçamento